Grendel

Depois de uma mini-série em dez números, Grendel: War Child, que retomava a história do ponto onde ela havia parado na série anterior, a Dark Horse começou a publicar em 1993 uma série de mini-séries chamada Grendel Tales, com histórias ambientadas num mundo definido por Matt Wagner e criado por outros escritores e artistas, dentre eles Darko Macan e Edvin Biukovic. A história principal também tem uma continuação na forma de romance, escrita por Greg Rucka.

Wagner voltou a usar Hunter Rose em 1998 numa mini-série com quatro números chamada Grendel: Red White and Black, que trazia histórias curtas desenhadas por diversos artistas. Como o título sugere, as histórias foram desenhadas em preto e branco com participações pontuais do vermelho. Entre os artistas que participam da série incluem-se D’Israeli (Lazarus Churchyard), Duncan Fegredo (Kid Eternity), David Mack (Kabuki), Mike Allred (Red Rocket 7), Teddy Kristiansen (House of Secrets), Woodrow Phoenix (SugarBuzz), Chris Spouse (Supremo), Jill Thompson (Sandman), Kelley Jones (Sandman, Batman: Dark Joker the Wild), Andi Watson (Geisha, Skeleton Key), Ashley Wood (Popbot, Automatic Kafka) e Michael Zulli (The Last Temptation). Esta mini-série ganhou os prêmios Eisner de Melhor Antologia e Melhor História Curta por O Advogado do Diabo.
Bem, após esta pequena síntese da história do personagem, falarei um pouco da sua figura de ação. Ela foi lançada nos idos de 1997 pela Big Blast, uma empresa subsidiária da Dark Horse, juntamente com as figuras do Madman e do Mage. Diferentemente das action figures lançadas na época, a escala dada a o personagem é bem grande, de modo que ele tem quase o mesmo tamanho de uma figura do Maxx Steel. Como os amigos podem notar, a figura é bem grande.

Esta é uma das maiores frustrações dos fãs, que impedidos de colocar a figura comercial ao lado de outros personagens (Batman, Homem-Aranha, Wolverine, Justiceiro, Evil Ernie), passaram a customizar o personagem a partir de figuras de personagens de outras coleções.

Quanto ao detalhamento do personagem, este é outro ponto delicado. Mesmo adorando o personagem e a figuras lançada pela Big Blast, reconheço que a escultura do boneco, se levarmos em consideração bonecos de outras coleções que foram lançados na mesma época, ele deixa muito a desejar. Quando a figura do Grendel foi lançada, a indústria de figuras de ação estava sofrendo uma reviravolta. Elas estavam deixando de serem meros bonecos, caricaturas dos personagens que corporificavam, para tornarem-se miniaturas perfeitas, reais de seus ícones. Ao que tudo indica, a Big Blast deixou esta onda passar sem se abalar.

Já em relação às articulações, a figura apresenta fatura de pontos (de boa qualidade). Encontramos os ligamentos na cabeça, nos ombos (em bola), bíceps, cotovelos, pulsos, cintura, pernas (em bola), joelhos, e tornozelos.

Bem, estas eram as considerações sobre o personagem que eu tinha para relatar. Espero ter conseguido ser agradável e claro o suficiente para não confundir ainda mais a cabeça dos meus amigos colecionadores novatos.

Assim sendo, fico por aqui e deixo a todos meus sinceros []´s.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: